segunda-feira, 9 de março de 2009

Atitude e caracter!

O GD Ribeirão recebeu este domingo, no Estádio do Passal, a equipa do Ribeira Brava e venceu por uma bola a zero.

Esta foi uma partida onde os ribeirenses agora comandados por Fábio das Neves, mostraram outra atitude em campo e onde souberam sempre atacar quando era necessário e defender quando foi preciso, e isso fez toda a diferença na partida. Os ribeirenses entraram bem na partida e foram uma equipa que cedo procurou o golo, mas por inoperância dos seus atacantes ou por mérito da defensiva contrária não conseguiram fazer mais cedo o golo, e num lance no mínimo esquisito, para não dizer caricato o arbitro da partida ( que era nada mais, nada menos que Pedro Estrela do Porto) assinalou grande penalidade a favor do Ribeira Brava, e onde se escreveu direito por linhas tortas com o jogador forasteiro a falhar o alvo, mantendo-se o nulo no marcador. No entanto os ribeirenses continuaram a atacar sempre mais e melhor, e até que à passagem da meia hora de jogo os ribeirenses chegariam à vantagem no marcador por intermédio de Bacari, que após um bom passe de Mendes, bailou frente ao defensor contrário e rematou para o fundo das redes fazendo o golo que seria o da vitória dos ribeirenses e que faria o resultado ao intervalo.

No segundo tempo os ribeirenses entraram novamente bem na partida e nos primeiros 5 minutos do segundo tempo poderiam ter ampliado a vantagem por duas vezes após desperdiçarem duas excelentes ocasiões de golo, a partir daí foi a formação contrária a tomar as rédeas da partida mas sem nunca conseguir incomodar o guardião Litos, no termino da partida os ribeirenses voltaram à carga e num rápido contra ataque o avançado Tiago Martins, isolado fez passar a bola por cima do guardião madeirense que jogou a bola com a mão fora da área que ditou a sua expulsão, até ao final não houve mais nada a salientar.

Vitória justa do Ribeirão que demonstrou ter um bom plantel, e quando as pedras são bem distribuídas e orientadas consegue jogar bom futebol e vencer, o resultado peca por escasso, pelo enorme caudal ofensivo dos ribeirenses e das inúmeras oportunidades de golo desperdiçadas.

GD Ribeirão: Litos, Luis Faria, Pica, Paulo Rola, Vitor Lobo, Bruno Pereira (Abdou 81'), Caravana, Serrão, Tiago Martins, Mendes (Palmeira 91') e Bacari (Pizzi 68')
Treinador: Flavio das Neves

sexta-feira, 6 de março de 2009

Antevisão do jogo com o Ribeira Brava


O GD Ribeirão recebe este domingo no Estádio do Passal, sim! à que dizer no cada vez mais bonito Estádio do Passal, a equipa do Ribeira Brava.

Esta foi uma das poucas equipas que conseguiu vencer os ribeirenses duas vezes, e que todos ainda temos fresco na memória a derrota na última jornada da 1ª fase em nossa casa.

Desta feia será uma partida bem diferente e onde esperamos que seja o virar de página no ciclo negro do GD Ribeirão e que agora tenhamos alguma sorte que nos tem sido alheia e que finalmente a equipa entre no trilho da vitórias, mas essêncialmente consiga praticar bom futebol, que sempre caracterizou as equipas do Ribeirão.

A formação ribeirense têm novo técnico, que já fez algum trabalho junto dos seus pupilos nesta semana e onde vem cheio de vontade de triunfar e siente dos desafios.

"Se não acreditasse não teria aceite o desafio. Se viesse para este clube e depois não alcançasse o objectivo da manutenção isso seria muito mau para mim e para o Ribeirão. Felizmente, posso dizer que ao longo da minha carreira nunca falhei um objectivo e certamente que não será agora que isso vai acontecer”, refere.

Flávio Neves revela ter “total confiança” na direcção e nos jogadores, deixando um pedido especial a todos os adeptos e associados ribeirenses para que “não deixem de apoiar a equipa porque nada está ganho”.

terça-feira, 3 de março de 2009

CALENDARIO DA 2º FASE

JORNADAS
1.ª jornada (8 março):

Mirandela - Maria da Fonte
Vianense - Caniçal
Ribeirão - Ribeira Brava

2.ª jornada (15 março):

Maria da Fonte - Ribeirão
Caniçal - Mirandela
Ribeira Brava - Vianense


3.ª jornada (22 março):

Maria da Fonte - Caniçal
Mirandela - Ribeira Brava
Ribeirão - Vianense


4.ª jornada (29 março):

Ribeirão - Caniçal
Ribeira Brava - Maria da Fonte
Vianense - Mirandela


5.ª jornada (5 abril):

Caniçal - Ribeira Brava
Maria da Fonte - Vianense
Mirandela - Ribeirão


6.ª jornada (11 abril):

Maria de Fonte - Mirandela
Caniçal - Vianense
Ribeira Brava - Ribeirão


7.ª jornada (19 abril):
Ribeirão - Maria de Fonte
Mirandela - Caniçal
Vianense - Ribeira Brava


8.ª jornada (26 abril):

Caniçal - Maria de Fonte
Ribeira Brava - Mirandela
Vianense - Ribeirão


9.ª jornada (3 maio):

Caniçal - Ribeirão
Maria de Fonte - Ribeira Brava
Mirandela - Vianense


10.ª jornada (10 maio):

Ribeira Brava - Caniçal
Vianense - Maria de Fonte
Ribeirão - Mirandela
CLASSIFICAÇÃO
Descem de divisão o 4º, 5º e 6º classificado de cada série e o 3º pior de todas as séries.

domingo, 1 de março de 2009

Flávio Neves é o novo treinador


Flávio Neves é o quarto treinador do Ribeirão, substituindo Lemos, que volta assumir a função de director desportivo. Oliveirense, Sanjoanense e, na temporada passada, o Caniçal, foram as equipas que treinou. "Objectivo imediato é lutar para ganhar jogos de forma a garantir a manutenção. Vamos procurar nesta fase elevar e melhorar os níveis de confiança", disse.

DADOS:

Nome: Flávio das Neves
Idade: 49 anos.
Estado civil: Casado.
Profissão: Técnico de futebol
Percurso como jogador: Arrifanense, Sanjoanense, Vitória de Guimarães, Académica, Vitória de Setúbal, Benfica e Espinho.
Percurso como treinador: Sanjoanense, São Roque, Cucujães, Oliveirense e Caniçal.
Currículo: Subida à II Liga na Oliveirense.

Outras declarações do técnico, noutros emblemas:

Flávio Neves sai feliz do Caniçal

"Saio com a consciência de dever cumprido, pois apesar das dificuldades encontradas ao longo da época e que foram do domínio público consegui motivar os jogadores, apelando-os ao trabalho e ao seu profissionalismo. Ajudei os jogadores do Caniçal a crescer como homens e atletas mas também sei que me valorizei como treinador, daí o meu agradecimento público aos seus responsáveis. Saio feliz por ter trabalhado com um grupo espectacular de jogadores. Eles investiram no trabalho e agora alguns estão a ser cobiçados por outros emblemas. Gostei muito de trabalhar na Madeira e acho que irei voltar. Agora vou à procura de outros projectos e de alguém que me queira. De momento não sei o que será o meu futuro, há alguns contactos mas são apenas situações exploratórias. Quero um projecto aliciante, pois nunca dei barraca no futebol. A única vez que me deram um projecto de subida foi no Oliveirense e consegui a promoção, há 3 anos".


"Tinha um Ferrari nas minhas mãos…"

Tentaram demover Flávio das Neves, o Caniçal seria “uma barca” mas a verdade é que sob a sua orientação, assegura, não só “virou um Ferrari” como também “teria subido de divisão” se o caminho não conhecesse algumas vicissitudes. Quem o garante é o próprio técnico na hora da saída…O trabalho mais difícil da carreira. É desta forma que o técnico Flávio das Neves define a (atribulada) passagem pelo Caniçal. Já em solo continental, onde tenta dar seguimento à carreira - “esse é um cantinho especial que fica aqui guardado e só espero regressar um dia” - aguarda por propostas concretas e que, de uma vez por todas, venham substituir as palavras e algumas promessas.Tem noção do que vale, do trabalho produzido, “de grande intensidade emocional”, fruto dos problemas com que teve de se confrontar durante todo o ano e que o levam a concluir “ter sido mais importante do que quando fui campeão pela Oliveirense. E com muito mais gozo também”, vinca.“Sofri muito ao longo deste ano e gostaria de fazer um apelo aos responsáveis do clube para que este ano tudo seja bem diferente. Foram demasiados problemas, não só de ordem salarial como de natureza humana, fundamentalmente ao nível da gestão de grupo, lidando com imensas situações, não só com os adjuntos mas também com os jogadores. Tudo ultrapassámos, é verdade, porque este grupo foi notável e de um brio incalculável”. Nem mesmo quando viu o plantel reduzir-se drasticamente - muitos jogadores acabaram por mudar de ares -, a ambição manteve-se e o quarto lugar foi conseguido, “acabando a ganhar à Oliveirense. E como recompensa temos jogadores, muitos deles a serem alvos de clubes de II e I Liga, como o Thiago, o Celsinho, o Nivaldo e o Heldon, entre outros.Repare: quando resolvi aceitar o convite, diziam-me que ia entrar “numa barca sem qualidade, os jogadores eram fracos mas logo após um mês de trabalho concluí que não. Tinha era um Ferrari na mão que não podia andar mais pelos problemas em nosso redor. Porque, se assim não fosse, reconhecido pelos próprios adversários, teríamos subido de divisão, até porque eramos a melhor equipa”, disse.